Estratégias de Treinamento Para Aumentar a Velocidade de Sprints de Atletas de Futebol
Futebol Interativo

Estratégias de Treinamento Para Aumentar a Velocidade de Sprints de Atletas de Futebol


Carregando...

2021-08-05 09:00:00 |

Estratégias de Treinamento Para Aumentar a Velocidade de Sprints de Atletas de Futebol

Compartilhe logo whatsapp logo facebook logo linkedin logo twitter
Compartilhe img

Estratégias de Treinamento Para Aumentar a Velocidade de Sprints de Atletas de Futebol por Fernando Albanezi


O futebol é um esporte de alta exigência física e seus esforços tem caráter intermitente, ou seja, ações de alta intensidade realizadas repetidamente ao longo de uma partida inteira e intercaladas com períodos de recuperação de baixa intensidade (Mohr, Krustrup e Bangsbo, 2005). Essas ações de alta intensidade são constituídas por Sprints multidirecionais como ponto principal. Em estudos que realizaram a análise das métricas dos atletas em tempo real através de GPS, mostraram que atletas profissionais de futebol atingem Sprints com velocidades a partir de 19,8km, chegando a velocidades superiores a 25,2km (Mohr, Krustrup e Bangsbo, 2005, Svensson e Drust, 2005). Vale ressaltar que essas ações de alta intensidade representam em média 10% das ações em jogo, entretanto são de grande importância para os resultados durante as competições.


Estratégias de Treinamento

Treinamento Pliométrico: Já é consenso na literatura quanto aos benefícios do treinamento pliométrico para o aumento de potência muscular, impactando diretamente na velocidade e capacidade de mudança de direção. Para aprofundar o método de treino, existe uma série de aspectos a serem levados em consideração, como: volume de saltos; intensidade atribuída; números de sessões por semana; qual salto realizar; vetor de força; altura e/ou distância ideal; piso; calçado; esporte; entre outros. São muitos os aspectos a serem levados em consideração no método, entretanto uma coisa é certa, o método contribuirá se for desenvolvido da forma ideal, levando em consideração a literatura científica (Villarreal et al, 2010).



Salto vertical com sobrecarga realizado na carga ótima: É uma das estratégias mais estudadas atualmente para o desenvolvimento de força explosiva dos atletas, o que tem a capacidade de contribuir diretamente na capacidade de Sprints linear e mudança de direção. O intuito é realizar um salto contra movimento e utilizar a energia elástica gerada no ciclo alongamento encurtamento para produzir mais força. O método de carga ótima, (optimum load), que tem como intuito trabalhar em cima da carga ideal para o desenvolvimento de potência muscular.  A literatura aponta que a velocidade de deslocamento da barra deve ser em torno de 1 m/s, o que representa uma altura de salto de aproximadamente 20 centímetros. O número de repetições está relacionado com a queda da velocidade no decorrer das repetições, impactando na altura do salto e na execução do movimento (Loturco et al, 2016).



Treinamento de força baseado na velocidade (VBT): Esse método tem como objetivo, através das ferramentas tecnológicas (transdutor de posição linear e acelerômetro) quantificar a velocidade de deslocamento de barra (velocidade de execução do exercício) e assim traçar um perfil de velocidade de carga de cada atleta, ficando dentro de uma zona de velocidade de movimento que impacte a curva força-velocidade e o atleta esteja sempre aumentando seus níveis de força e potência muscular.

Outro ponto interessante é a possibilidade de fornecer feedback instantâneo sobre o desempenho e ter a possibilidade de motivar o atleta da forma correta. Vale ressaltar que ao realizar o VBT, quando realizamos o aumento da carga (peso), a velocidade do movimento diminui, fazendo com que tenhamos a possibilidade de treinar dentro da carga e velocidade ideal e observar se a fadiga está sendo manifestada, com a redução da velocidade. Os estudos tem demonstrado que o método tem a capacidade de aumentar a potência muscular e impactar na capacidade de aceleração e velocidade, principalmente realizando feedback ao atleta durante a execução e ajuste das cargas (Jovanovic e Flanagan, 2014).



Capacidade de realizar Sprints repetidos: Vale ressaltar que para desenvolver a velocidade nos Sprints é preciso realizar Sprints, ou seja, o método de Sprints repetidos em momentos específicos da temporada pode contribuir de forma significativa para o aumento de velocidade.

Sprints resistido: O Sprint resistido tem se demonstrado uma estratégia interessante para o aumento de aceleração na fase inicial do Sprint e velocidade máxima. Vale ressaltar que a carga que será utilizada deve ser incluída com cuidado, para que não comprometa a execução do movimento. Em estudo que avaliou o método, apontou que a carga ideal no treinamento para impactar a aceleração nas fases iniciais da corrida é de 20% da massa corporal, já para contribuir com o desenvolvimento em fases de alta velocidade foi recomendado cargas de treinamento de 5% a 12,5% da massa corporal (Mena e Badillo, 2014).



Hip Thrust: O exercício tem como intuído a elevação pélvica, proporcionando maior ativação dos músculos extensores de quadril em relação a exercícios convencionais (agachamento). Ao realizar o exercício, o atleta é beneficiado de efeito agudo (potenciação pós-ativação) no aumento da aceleração e seus efeitos com a realiza periódica e com cargas submáximas vêm proporcionando melhorar no tempo de Sprint, entretanto os estudos apontam a necessidade de maiores investigações (Neto Vieira e Gama, 2019).



Essas são apenas algumas das estratégias de treinamento e cada uma deve ser avaliada pela comissão técnica, levando em consideração que deve ser desenvolvida com recorrência para que seus benefícios ocorram, sendo assim atribuída uma carga de treinamento a esses métodos, impactando na organização de todos os conteúdos que serão desenvolvidos.


E aí, gostou do texto? Deixe seus comentários e aproveite para conhecer o nosso curso de Preparação Física no Futebol.


Referências:

- Mohr M, Krustrup P, Bangsbo J. Fatigue in soccer: A brief review. JSports Sci 2005; 23: 593–599

- Svensson M, Drust B. Testing soccer players. J Sports Sci 2005; 23:601–618

- Jovanovic M e FlanaganEP. (2014). Aplicações pesquisadas de treinamento de força baseado em velocidade. J. Aust. Força Cond. 22 (2) 58-69.

- Loturco I, Nakamura F Y, KobalR, Gil S, Pivetti B, Pereira L A, Roschel H. Traditional periodization versusoptimum training load aplied to soccer players: Efects on Neuromuscular Abilities. International Journal of Sports Medicine, 2016; Dec.37(13):1051-1059.

- Neto W K,Vieira T L, Gama E F. Barbell Hip Thrust, Muscular Activation and Performance:A Systematic Review. Journal of Sports Science and Medicine (2019) 18, 198-206.

- Mena B B, Badillo J J G. Effects of Resisted Sprint Training on Acceleration With Three Different Loads Accounting for 5,12.5, and 20% of Body Mass. April2014 The Journal of Strength andConditioning Research 28(10).

- Villarreal E S S, Requena B, Newton R U. Does plyometric training improve strength performance? A meta-analysis Journal of Science and Medicine in Sport 13(2010) 513–522

Tags

0 comentários

Assuntos


Posts em destaque


AO VIVO Assista agora o
MAIOR CONGRESSO DE FUTEBOL DAS AMÉRICAS
ASSISTIR AGORA!